Fazendo “AS PAZES” com o Ensino Remoto.

Fazendo “AS PAZES” com o Ensino Remoto.

Desde quando iniciou as medidas de isolamento social e as estratégias de ensino remoto por aqui, comentei várias vezes nas minhas redes sociais, que, embora, já sendo uma entusiasta das tecnologias na educação, me senti em um mundo totalmente novo nesse processo, seja pelo motivo pelo qual estamos utilizando tal estratégia, seja pelas incertezas que passaram a existir desde o primeiro dia da execução dessa solução de aprendizagem, seja, por todos os aprendizados que nos cerca todos os dias, diante dos acontecimentos atuais.

Sendo assim, quero compartilhar com vocês leitores do Aula Incrível, pensamentos e práticas que tenho adotado e que tem me dado conforto mental e espiritual sobre essa grande travessia que estamos cruzando, especificamente falando das práticas de sala de aula, contato com os alunos, gestores, famílias e todos os outros assuntos voltados à profissão de professor em tempos de tantas incertezas.

QUANTIDADE NÃO É QUALIDADE

A aceitação de que, embora exista inúmeras possibilidades, recursos, ferramentas disponíveis, não são todas as ferramentas que podem ser adequadas para nosso público de alunos, seja pela faixa etária, seja pelas características técnicas da ferramenta, seja pela forma de acesso. Antes de qualquer coisa, é preciso pesquisar e atestar se realmente faz sentido usar a ferramenta x ou y, se o público que precisamos engajar, só tem acesso a ferramenta z. Um recurso que utilizei assim que me vi na engajar estudantes a distância que moram no interior, foi aplicar um formulário simples (veja aqui como fiz) com algumas perguntas aos estudantes. Na pesquisa descobri que a melhor forma que manter um contato produtivo com eles, seria por aplicativo de mensagens, e assim estamos seguindo.

HUMILDADE E HUMANIDADE, POR FAVOR

Ter humildade para seguir orientações de como proceder é a salvação! Principalmente para os educadores que, mesmo já tendo familiaridade com a tecnologia, e com suas ideias criativas, sempre tem aquele colega que tem outras ideias e resultados também positivos em sala de aula. Talvez seja hora de guardar o orgulho de professor inovador e seguir com dicas de outros professores, também. Orientações passadas pela gestão, também não são em vão e tem uma razão para existir. Então, sabe aquela reunião online repetitiva? Extrair e anotar os insights que está tendo durante ela pode te salvar. E se tiver algo que não vai te servir, é só descartar e sem precisar reclamar.

A SOLU(AÇÃO)

Reconhecer que de um jeito ou de outro teremos prejuízos. Prejuízo na aprendizagem dos estudantes, prejuízo no planejamento do ano letivo, prejuízo nas férias escolares e todos os outros que possamos imaginar. Todos juntos ou um ou outro isolado, nessa ordem ou não.

Depois que passei a ter consciência da possibilidade desses prejuízos, e a perceber que não vai adiantar reclamar, e que o ideal é agir, dando o meu melhor, me qualificando ainda mais, me permitindo a aumentar as possibilidades e sendo útil para alguém , seja para um aluno que está com dificuldade, seja para um colega que está precisando de um ânimo, etc, aí sim é possível somar e ser canal de transformação para tudo ao nosso redor.

E com você..o que tem feito você acenar a bandeira branca para o ensino remoto? Compartilhe nos comentários.

Sobre o autor | Website

Sou Gabriela, uma professora apaixonada por tudo que pode ser útil e inovador para o ensino e aprendizagem.Com especialidade em Didática e em Tecnologias da Informação e comunicação, criei o blog para compartilhar minhas experiências e hoje ajudo outros professores a tornar suas aulas em experiências muito mais engajadoras ;)